As criações de Steve Jobs no mundo da tecnologia marcaram época pelo seu design inovador e até futurista. Algo que contrastava com o visual do criador da Apple, que durante sua vida criou um estilo próprio de se vestir, básico até dizer chega, mas que marcou época também.

É impossível lembrar-se de Jobs sem ter em mente o seu look de casimira preta com gola alta mais jeans surrado e tênis velho. A combinação, exibida publicamente pela primeira vez em 1998, tornou-se uma marca dele e sempre estimulou teorias sobre o porquê dessa opção dessa vestimenta. O sucesso do “look” sempre foi tanto que nesta quinta-feira (6) a marca St. Croix afirmou ao site TMZ que o modelo da malha igual ao que Jobs vestia em sua apresentações vendeu quase 100% a mais desde a sua morte.

“A vestimenta fazia parte de sua filosofia, ele soube linkar a simplicidade que tanto defendia externamente. Era perfeito, pois mostrava uma personalidade que se mantinha diariamente”, diz o estilista Renato Kherlakian, criador da Zoomp e defensor do “estilo Jobs de se vestir”: ele diz usar apenas jeans e t-shirts básicas de tons azuis ou escuros em seu dia a dia.

A primeira aparição de Jobs com a combinação foi durante o lançamento do iMac há 13 anos, computador pessoal que se tornou um ícone pelo design inovador e praticidade. Ele, que até então costumava aparecer publicamente de terno e com gravatas de corres berrantes (borboletas, inclusive), chegou na ocasião de calça jeans da Levi’s, modelo 501 (sem cinto), e calçando um tênis New Balance 991. O suéter de gola rolê da St. Croix tinha as mangas arregaçadas. Ele nunca mais usou outra variação, a não ser uma blusa branca em 2000.

A vestimenta marcou época e estava conectada com o (novo) espírito jovem da Apple – Jobs tinha acabado de retornar ao comando da empresa, que se reinventou a partir dali. Enquanto os executivos da Microsoft exibiam ternos mal-cortados, o CEO da maçã transformava a empresa a partir de seu apelo visual. Nos famosos comerciais da série “MAC vs PC”, o funcionário da companhia de Bill Gates sempre aparecia com paletós e calças beges e largas, enquanto o de Jobs tinha camiseta e jeans justos. Todos os funcionários das Apple Store se vestem assim desde então.

“Para fazer essa escolha você tem de ter muita personalidade. A aparência é responsável por 60% da primeira impressão que você gera. Dentro do informal, o estilo de Jobs é o mais clássico e que tem uma maior abrangência, pois gera uma leitura fácil para todas as tribos. Algo coerente para um esteta [estudioso da estética] como ele”, define a consultora em etiqueta e comportamento Claudia Matarazzo.

“Como todo bom nerd, Steve não dava muita bola para o visual. O ‘uniforme’ jeans surrado mais gola alta preta e tênis jogging virou marca registrada e, apesar da simplicidade, carregava assinatura. Ter estilo próprio não passa necessariamente por usar as tendências do momento ou ser ultra vaidoso, mas sim por consolidar uma imagem, facilmente reconhecível e que seja associada a você. Nesse sentido, podemos dizer que Steve Jobs era um homem cheio de estilo”, concorda Sylvain Justum, editor de moda da revista brasileira “GQ”.

Claudia Matarazzo diz não saber não saber identificar se houve uma tendência criada por Jobs em relação a maneira – informal – de se vestir no ambiente de trabalho. Mas, coincidentemente, houve um crescimento em se adotar aquilo que ela chama de “casual every day” justamente a partir do período em que ele surgiu com o look despojado – que com o passar dos anos incluiu uma barba desleixada.

“Os ternos começaram a voltar somente há quatro, cinco anos. Foram dez anos de ‘casual every day’ e parou. Criou-se um problema nas empresas, para as mulheres principalmente, que não sabiam como se vestir. Hoje é mais fácil para os executivos se apresentarem de terno”, diz.

Vale lembrar que o look casual de Steve Jobs não era assim tão barato. O site www.stevesoutfit.com, que mostra quanto custavam as peças do criador da Apple, calcula que tudo girava em torno de US$ 400, cerca de R$ 730.

O suéter era a parte mais cara do visual: em junho, na WWDC 2011, ele optou por um da grife Von Rosen, que ficou justo em seu corpo mesmo com a sua magreza impressionante. Após a aparição houve uma grande procura pela peça, cujo valor era superior a US$ 600.

“Ele só usava peças simples, de matéria-prima com qualidade e proporções adequadas”, aponta Kherlakian.” O enjôo de ter um closet gigantesco pode ter feito ele criar essa configuração visual. Foi genial, pois mostrou ao mercado de moda que uma característica poderia ser imitada. Ele marcou uma época com o seu estilo próprio”, resume.

Fonte: G1

Leave a Reply