A gente adora moda. E a gente adora, mais ainda, séries de TV  que lançam moda. É por isso que elegemos um top 5 com os personagens mais elegantes, estilosos, hypes e cool do mundo dos seriados.
O primeiríssimo lugar vai para Carrie Bradshaw, de ‘Sex & The City’, que lançou a moda dos vestidos armados e acinturados. Nossa amada escritora nova-iorquina era tão compulsiva por moda, que gastava todo o seu salário nos caríssimos sapatos de Manolo Blahnik.
A medalha de prata vai para a série que dá show de moda: ‘Gossip Girl’. Os adolescente riquíssimos do Upper East Side, de Nova York, parecem viver em um desfile de moda diário. Todo o elenco da série é super bem vestido. Blair e Serena nunca repetem roupa e lançaram moda da meia-calça colorida. Decotes e roupas curtinhas também são muito bem-vindos.
E não são só as mulheres que dão show. Chuck, por exemplo, é um adolescente vestido de lorde inglês. Os ternos, coletes e gravatas são um luxo só.
O terceiro lugar vai para elas, que provaram que dona-de-casa não tem que passar o dia de avental e com farinha no cabelo. Elas são mães, esposas, fazem faxina e comida e, ainda assim, estão sempre lindíssimas. A série ‘Desperate Housewives’ provou que dá, sim, para envelhecer com saúde e muito luxo.
Marissa, de ‘The O.C.’, deixou muita saudade ao morrer na terceira temporada da série. Não só pela personagem, queridíssima entre ou fãs, ou por causa do romance com Ryan, ou pelas cenas quentíssimas de quando resolveu namorar uma menina. Marissa lançou moda. Era uma delícia ver suas roupinhas à moda californiana. Vestidos soltinhos e descolados era a preferência no guarda-roupa da personagem.
Em último lugar, mas não menos fashion, está Rachel Green. A musa de ‘Friends’ tinha o sonho de trabalhar com moda. E conseguiu. O amor da vida de Ross arrumou um emprego na Ralph Lauren, que inclusive fez uma participação especial e divertidíssima na série.

A gente adora moda. E a gente adora, mais ainda, séries de TV que lançam moda. É por isso que elegemos um top 5 com os personagens mais elegantes, estilosos, hypes e cool do mundo dos seriados.

carrie-bradshaw-sex-and -the-city

O primeiríssimo lugar vai para Carrie Bradshaw, de ‘Sex & The City’, que lançou a moda dos vestidos armados e acinturados. Nossa amada escritora nova-iorquina era tão compulsiva por moda, que gastava todo o seu salário nos caríssimos sapatos de Manolo Blahnik.

gossip-girl

A medalha de prata vai para a série que dá show de moda: ‘Gossip Girl’. Os adolescente riquíssimos do Upper East Side, de Nova York, parecem viver em um desfile de moda diário. Todo o elenco da série é super bem vestido. Blair e Serena nunca repetem roupa e lançaram moda da meia-calça colorida. Decotes e roupas curtinhas também são muito bem-vindos.

E não são só as mulheres que dão show. Chuck, por exemplo, é um adolescente vestido de lorde inglês. Os ternos, coletes e gravatas são um luxo só.

desperate-housewives

O terceiro lugar vai para elas, que provaram que dona-de-casa não tem que passar o dia de avental e com farinha no cabelo. Elas são mães, esposas, fazem faxina e comida e, ainda assim, estão sempre lindíssimas. A série ‘Desperate Housewives’ provou que dá, sim, para envelhecer com saúde e muito luxo.

marissa-the-oc

Marissa, de ‘The O.C.’, deixou muita saudade ao morrer na terceira temporada da série. Não só pela personagem, queridíssima entre ou fãs, ou por causa do romance com Ryan, ou pelas cenas quentíssimas de quando resolveu namorar uma menina. Marissa lançou moda. Era uma delícia ver suas roupinhas à moda californiana. Vestidos soltinhos e descolados era a preferência no guarda-roupa da personagem.

rachel-green-friends

Em último lugar, mas não menos fashion, está Rachel Green. A musa de ‘Friends’ tinha o sonho de trabalhar com moda. E conseguiu. O amor da vida de Ross arrumou um emprego na Ralph Lauren, que inclusive fez uma participação especial e divertidíssima na série.

fonte:www.tanavitrinetanacea.com.br

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Comments ( 1 )
Não precisa ficar com vergonha se você não souber nada.
O termo Alta-Costura (Haute Couture, do original, em francês) é usado para se referir aos desfiles cujas peças são produzidas manualmente. Isso mesmo. Nada de produção em máquinas ou fábricas.
É quando o estilista cria uma peça da maneira mais primitiva possível: mão, linha e agulha.
O estilista se torna um artista, praticamente um artesão. É a maior oportunidade que ele tem de expressar sua criatividade. Mostrar tecidos, bordados, cores. E, sutilmente, o que pode virar tendência com adaptações, é claro.
Há quem critique o distanciamento criado pelas coleções de alta-costura com o que está nas lojas. Mas a beleza é exatamente essa. Nada do que é produzido neste tipo de desfile tem pretensão de chegar às lojas.
As roupas são espécies de obras de arte e seus compradores são colecionadores. Quem adquire um vestido desses, por exemplo, expõe como se fosse um quadro. É o mesmo tipo de mercado. Os compradores são, geralmente, milionários apaixonados por moda.
Infelizmente, há alguns anos, este mercado entrou em decadência. A crise financeira afastou os principais compradores, já que se tratam de artigos de luxo. Algumas marcas, inclusive, já desistiram deste negócio.

Não precisa ficar com vergonha se você não souber nada.

O termo Alta-Costura (Haute Couture, do original, em francês) é usado para se referir aos desfiles cujas peças são produzidas manualmente. Isso mesmo. Nada de produção em máquinas ou fábricas.

É quando o estilista cria uma peça da maneira mais primitiva possível: mão, linha e agulha.

O estilista se torna um artista, praticamente um artesão. É a maior oportunidade que ele tem de expressar sua criatividade. Mostrar tecidos, bordados, cores. E, sutilmente, o que pode virar tendência com adaptações, é claro.

Há quem critique o distanciamento criado pelas coleções de alta-costura com o que está nas lojas. Mas a beleza é exatamente essa. Nada do que é produzido neste tipo de desfile tem pretensão de chegar às lojas.

As roupas são espécies de obras de arte e seus compradores são colecionadores. Quem adquire um vestido desses, por exemplo, expõe como se fosse um quadro. É o mesmo tipo de mercado. Os compradores são, geralmente, milionários apaixonados por moda.

Infelizmente, há alguns anos, este mercado entrou em decadência. A crise financeira afastou os principais compradores, já que se tratam de artigos de luxo. Algumas marcas, inclusive, já desistiram deste negócio.

armani-alta costurachanel-alta costurachristian dior-alta costuraJean paul gaultier-alta costura
yves saint laurent-alta costurafonte: www.tanavitrinetanacea.com.br

Tags: , , , ,

Comments ( 0 )
Nas Semanas de Moda primavera/verão 2010, que aconteceram em junho deste ano, em São Paulo e no Rio de Janeiro, a gente viu muito brilho, muito paetê.
É em agosto que as lojas começam a renovar suas coleções pensando nas estações mais quentes do ano. O que a gente pode perceber é que os estilistas vão investir em roupas bordadas de paetê. E a grande novidade é que o brilho vai ser um arraso não só na noite, mas no dia.
Aí vão alguns exemplos de como misturar peças brilhosas e chamativas sem ficar over.

Nas Semanas de Moda primavera/verão 2010, que aconteceram em junho deste ano, em São Paulo e no Rio de Janeiro, a gente viu muito brilho, muito paetê.

É em agosto que as lojas começam a renovar suas coleções pensando nas estações mais quentes do ano. O que a gente pode perceber é que os estilistas vão investir em roupas bordadas de paetê. E a grande novidade é que o brilho vai ser um arraso não só na noite, mas no dia.

Aí vão alguns exemplos de como misturar peças brilhosas e chamativas sem ficar over.

Jaquetas com brilho

Jaquetas com brilho

Isabela Capetto

Isabela Capetto

Maria Bonita Extra

Maria Bonita Extra

Osklen

Osklen

fonte:www.tanavitrinetanacea.com.br

Tags: , , , , , , , , , ,

Comments ( 2 )

Fotos-Desfile-ultimo-Estilista-Christian-Lacroix
Foto-Desfile-ultimo-Estilista-Christian-Lacroix
Foto-Desfile-ultimo-Estilista-Christian-Lacroix-modelos
Foto-Desfile-ultimo-Estilista-Christian-Lacroix-modelo-roupas
Foto-Desfile-ultimo-Estilista-Christian-Lacroix-modelo-roupa
Foto-Desfile-ultimo-Estilista-Christian-Lacroix-modelo-roupa-colecao

Ninguém pensaria que, um dia, um dos mais conceituados estilistas de sempre se veria numa situação econômica de tal forma precária que seria forçado a declarar falência e a esperar com ansiedade que o futuro da maison Lacroix se decida nos próximos meses, dependendo ou não de encontrar comprador.

Mas isso não travou Christian Lacroix de apresentar, em Paris, a colecção de Alta Costura Outono-Inverno 2009-2010. Tudo foi quase de graça: o local para o desfile, o Musée des Arts Décoratifs, foi cedido, a equipa trabalhou de graça, assim como as bordadeiras do aterlier Lesage, os tecidos vieram do que estava em stock, os sapatos foram cedidos por Roger Vivier e Lacroix pagou do próprio bolso às modelos.

Visto na Activa

Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,

Comments ( 0 )

As lojas da grife italiana Giorgio Armani no Brasil começam a receber as novidades da coleção outono-inverno 2009/2010 ao mesmo tempo em que a Europa. Os brasileiros poderão conferir por aqui as coleções feminina e masculina, além dos relógios A|X Armani Exchange. As campanhas das marcas do grupo contam com dois brasileiros: Miro Moreira, que saiu direto do programa A Fazenda, da Record, para fotografar em Nova York, e a top Raquel Zimmermann.

» Veja mais fotos de Raquel Zimmermann e Miro Moreira

Colecao-outono-inverno-2009-2010-Giorgio-Armani-estrela-a-brasileira-modelo-Raquel-Zimmermann-fotos

A top número 1 do mundo foi clicada em fotos preto-e-branco pela dupla Mert Allas e Marcus Piggott. As peças usadas por ela estão na loja da Bela Cintra, nos Jardins, em São Paulo, onde podem ser vistas, tocadas, experimentadas e adquiridas pelo público feminino. Trazem um pouco de brilho, a estética dos anos 1980 e os cardigans revisitados dão uma pista da temporada fria da grife, que traz também os tons de cinza “as novas variações do preto”.

Colecao-outono-inverno-2009-2010-Giorgio-Armani-estrela-a-brasileira-modelo-Raquel-Zimmermann-foto

Colecao-Armani-Collezioni-masculina-tem-um-brasileiro-campanha-modelo-Miro-Moreira-fotos

Homens
A dualidade é o tema da coleção Giorgio Armani masculina, que se aproveita dos materiais e suas combinações para renovar o clássico. É possível perceber, por exemplo, que as peças apresentam características opostas: escuro/colorido; forte/suave; clássico/contemporâneo. O homem da grife tem silhueta marcada com ombros definidos, e suas cores são, predominantemente, escuras, incluindo o marrom e o cinza, às vezes usados em veludos brilhantes. Já a Armani Collezioni masculina, com a participação de Miro Moreira, aposta nos casacos ligeiramente mais curtos com aberturas laterais. O outono inverno 2009/2010 à venda na loja do Shopping Cidade Jardim traz tecidos como lã, cashmere, microfibras e viscose, além de padrões como príncipe-de-Gales e risca-de-giz, que, assim como o corte, continuam a transmitir a elegância característica da marca. As cores usadas para esta temporada são as variações de cinzas, pretos, violetas, marrons e beges.

Materiais-inovadores-pulseiras-nova-colecao-relogios-AX-Armani-Exchange-venda-lojas-grife-Brasil-fotos

Materiais inovadores nas pulseiras marcam a nova coleção de relógios da A|X Armani Exchange, à venda nas lojas da grife no Brasil

Relógios
Os materiais inovadores, como acetato de esmalte, couro de bezerro texturizado e borracha, são os destaques da nova linha de relógios A|X Armani Exchange, que chega ao Brasil. Com inspiração urbana, as linhas masculina e feminina têm uma ampla gama de estilos, mas sempre produzidas com aço inoxidável e o logo da marca incorporado ao design do relógio. No Brasil podem ser encontrados nas lojas A|X Armani Exchange dos shoppings Higienópolis, Paulista, Morumbi, Bourbon Shopping, em São Paulo; e no Fashion Mall, no Rio de Janeiro.

Visto na Moda Terra

Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,

Comments ( 1 )
Fotos-brasileira-Thana-Kuhner-conquistou-grife-de-John-Galliano

A brasileira Thana Kuhner conquistou a grife de John Galliano

A brasileira Thana Kuhnen ganhou as atenções do mundo na última temporada de desfiles de alta-costura em Paris ao abrir o desfile da marca Christian Dior. A paranaense de 18 anos foi escolhida pelo próprio estilista da marca, John Galliano, e estava num lugar com o qual milhares de meninas sonham em estar um dia. O curioso é que ela nunca quis ser modelo, pois sofreu a adolescência com os comentários sobre suas longas pernas, que hoje medem 1,22 m. Por insistência da família, aos 15 anos, saiu da cidade de São João, no Paraná, veio para São Paulo, onde fez desfiles das semanas de moda do Rio e de São Paulo, e de lá foi para Nova York, onde morou no ano passado e considera um período de preparação para sua carreira.

Thana, que tem 1,80 m, hoje é modelo de prova exclusiva da Maison Dior e também da marca John Galliano, mora em Paris desde o começo do ano e está aprendendo a falar o idioma do país. Seu nome completo é Arithana Maiade Kuhnen. Aritana sem o ‘h’ é o nome de um cacique importante que ficou marcado no imaginário indígena. “Meus pais escolheram por ser um nome forte”, diz.

Veja as lições de carreira que a jovem aprendeu em tão pouco tempo na profissão:

Personalidade forte – “Meus pais falam que sou mandona e autoritária. Dizem que o nome está se revelando em mim. Mas na verdade sou forte, decidida e elétrica.”

Explorar suas melhores qualidades – “Não queria ser modelo. Tinha pernas bem compridas e as pessoas falavam mal de mim.” Hoje é uma das qualidades mais importantes do trabalho da modelo. No desfile da marca Dior, na temporada de ata-costura realizada em junho, Thana abriu o desfile usando blazer e apenas meias e lingerie embaixo. Outra mudança foi o corte de cabelo, na altura no queixo. “Tinha um cabelão e em Nova York fui orientada a cortá-lo.”

Estar no lugar certo – “Morei em Nova York em 2008 e sempre me falavam que meu lugar era Paris. Porque tenho ar mais mulher, sou elegante e não tenho rosto esquisitinho das modelos que fazem sucesso nos Estados Unidos. E desde o momento em que cheguei à França, as coisas deram certo.”

Aproveitar as oportunidades – “Comecei a fazer provas para o estilista Jean Paul Gaultier e depois para a Dior. A equipe de John Galliano quis me apresentar a ele e então fui contratada. Hoje fico junto da equipe, participo do processo de criação e só de acompanhar isso já vale, é gratificante.”

Manter os pés no chão – “No meio do dia, paramos para almoçar e nessas horas não consigo dimensionar que estou sentada à mesa com John Galliano. Encaro como algo normal, como trabalho.”

Visto no Terra

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Comments ( 2 )

Fotos-Debora-Secco-Coco-Chanel-revista-DropsA atriz Deborah Secco encarnou a mítica estilista Coco Chanel em um ensaio para a revista “Drops” – repare nas unhas, pintadas com as cores da bandeira francesa. A atriz confidenciou na entrevista que Chanel é o primeiro nome que lhe vem à cabeça quando pensa em estilo.

Visto no EGO

Tags: , , , , , , ,

Comments ( 0 )
Cantora é a nova garota-propaganda da marca e também lança joias
As primeiras fotos de Lily Allen como garota-propaganda da linha de bolsas da Chanel foram divulgadas. O diretor criativo Karl Lagerfeld, que também foi o fotógrafo, havia convidado a cantora britânica para a campanha, afirmando que “ela é divertida”. No melhor estilo “Bonequinha de Luxo”, Lily surge em fotografias em preto e branco, que serão lançadas com a coleção de outono-inverno 2010 da marca.
A nova linha de bolsas é chamada Coco Cocoon e será apresentada em outubro. As peças são reversíveis, feitas de um nylon leve e têm o mesmo acolchoado granada do clássico modelo 2.55. Nas cores, há opções em bordô, preto, cru e azul-marinho.
Joias
Na manhã de segunda-feira, dia 27 de julho, a cantora esteve no lançamento de sua linha própria de joias. A marca leva seu nome e traz peças no formato de pandas, flamingos e abóboras cobertas com cristais.

Cantora é a nova garota-propaganda da marca e também lança joias

Lilly Alen nova garota propaganda da Chanel

Lilly Alen nova garota propaganda da Chanel

Lilly Alen nova garota propaganda da Chanel

Lilly Alen nova garota propaganda da Chanel

As primeiras fotos de Lily Allen como garota-propaganda da linha de bolsas da Chanel foram divulgadas. O diretor criativo Karl Lagerfeld, que também foi o fotógrafo, havia convidado a cantora britânica para a campanha, afirmando que “ela é divertida”. No melhor estilo “Bonequinha de Luxo”, Lily surge em fotografias em preto e branco, que serão lançadas com a coleção de outono-inverno 2010 da marca.

A nova linha de bolsas é chamada Coco Cocoon e será apresentada em outubro. As peças são reversíveis, feitas de um nylon leve e têm o mesmo acolchoado granada do clássico modelo 2.55. Nas cores, há opções em bordô, preto, cru e azul-marinho.


Jóias

Na manhã de segunda-feira, dia 27 de julho, a cantora esteve no lançamento de sua linha própria de joias. A marca leva seu nome e traz peças no formato de pandas, flamingos e abóboras cobertas com cristais.

Lily Allen com a nova coleção da Chanel

Lily Allen com a nova coleção da Chanel

Nova coleção de bolsas da Chanel

Nova coleção de bolsas da Chanel

Tags: , , , , , , , , , ,

Comments ( 0 )

Foto-Coco-Chanel-moda-FilmeDesde que foi anunciado, os interessados estão formigando de ansiedade para ver “Coco avant Chanel“, filme biografia que mostra a fase de aprendizado da estilista, estrelado pela também adorada Audrey “Amelie Poulain” Tatou. Este frenesi e as mudanças de data de estreia (a última que se tem notícia é 30 de outubro no Brasil) fez pipocar notícias e declarações de amor para a grande estrela da moda, aquela que, se não é unanimidade, é a que mais se aproxima disso. E nem estou falando da marca Chanel, aquela muito bem mantida pelo estilista Karl Lagerfield desde 1983 e que é um exemplo de longevidade em uma grife.

Não, estou falando da estilista Chanel, que viveu em uma época em que a marca ainda não possuía o poder de hoje em dia, mas sim a figura do criador, numa relação que aproximava o costureiro dos artistas. No entanto, mesmo sendo ídolo máximo do campo da moda, Chanel é uma figura interessante para toda a história da cultura do século XX. Isso porque ela não apenas pensava em costurar para a elite socioeconômica da França, não, Chanel no fundo costurava para si mesma. Audaciosa, faladeira, e boa de marketing pessoal, além de um histórico de heroína, é uma figura fácil de ser romantizada – me surpreende os poucos filmes e livros.

De família pobre, quando tinha seis anos perdeu a mãe e ficou com mais quatro irmãos aos cuidados do pai, que por trabalhar muito, manteve as meninas em um orfanato. Logo, Gabrielle Bonheur Chanel começou a trabalhar cantando em cabarés, época em que recebeu o apelido Coco. Como a grande maioria das mulheres pobres, costurava (lembrando que o comércio de roupa pronta, como magazines, ainda não era popular). Começou fazendo chapéus e só depois, abriu uma maison.

Mas o sucesso entre as mulheres abastadas não se deu de uma hora para outra – Coco foi inserida na alta roda parisiense por um militar milionário, além de ter tido outros amantes idem – suas primeiras lojas foram financiadas por um jogador de pólo com quem teve um caso. É inegável que houvesse talento na jovem estilista, mas não só para construir e criar peças novas, mas um talento para se relacionar com as pessoas certas, o que em qualquer meio social é meio caminho andado para influenciar as pessoas.

De certo, as criações de Chanel causavam estranhamento nas damas de porte aristocrático. Para entender porque a insistência no “rótulo de gênio”, antes de descrever as imagens criadas por ela, tente imaginar uma típica mulher milionária da época: apertadas em corsets, com metros e metros de sedas e rendas, cabelos muito longos e ornamentados e muitas joias verdadeiras, impedidas de se movimentarem com naturalidade. Menos alienada a acontecimentos sociais, consciente dos avanços na emancipação feminina e da velocidade que a industrialização propunha para o consumo, amiga de artistas influentes e legitimados entre os ricos, como Picasso e Jean Cocteau, tomou para si o espírito de simplicidade e liberdade da época e aplicou em suas peças.

Assim, Chanel pode ser considerada a criadora do traje casual – propôs malhas e brim (tecidos considerados rústicos), calças de montaria para as mulheres (cavalgar de saia era uma ideia mesmo estúpida), combinações de saias mais curtas, inspiradas nos trajes masculinos (e eternizados como tailleurs), bolsas com correntes (para a mulher ter a mão livre, assim pode segurar o cigarro, hábito que crescia entre as garotas), chapéus práticos, sem tantas plumas e pedrarias (os grandes chapéus eram usados para evitar que o sol queimasse o rosto das mulheres europeias, já que a pele branca era sinônimo de status, mas Chanel não se importava e aparecia coradinha, de chapéu pequeno), bijuterias (os metros de pérolas falsas estavam ao alcance de todos) e, acima de tudo, o “pretinho básico”, adequado, bonito e prático.

Isso tudo não é apenas uma reunião de exemplos de objetos de desejo, não. Nessas criações, e principalmente na aceitação que tiveram – não basta criar, as pessoas têm que usar – é possível perceber um momento histórico, em que a burguesia aumentava seu poder de consumo cada vez mais, a mulher era necessária no mercado de trabalho e autorizada a frequentar espaços sociais e não só a vida doméstica, o esporte e as atividades de lazer passam a ser rotineiros para essa nova classe abastada e o costureiro passa a ser tão importante quanto quem veste sua criação. Chanel soube usar tudo isso e divulgou o conceito de “estilo é o que permanece”, o que se desenvolve para a nossa atual ideia de marca. A criação fora de contexto é mero produto, o que não acontece aqui.

E ainda provou que não era da boca pra fora: nos anos 50, quando andava apagada por causa de problemas durante a Segunda Guerra Mundial – acusada de colaborar com alemães, de manter um relacionamento com um oficial nazista, acabou presa, uma história ainda mal contada – o estilista da vez era Christian Dior, com uma proposta oposta a de Coco, a de restaurar os ares de nobreza da mulher depois de difíceis tempos de racionamento e trabalho. Mas, obstinada e cheia de certezas que era, aproveitou o seu estilo e recriou sobre suas formas básicas, atingindo grande popularidade novamente e conseguindo apoio de uma garota propaganda de dar inveja, aquela tal de Marilyn que tinha o hábito de dormir só de perfume.

Você pode se interessar mais pela vida cheia de amores e desaforos de Coco, ou pela intuição e ousadia da estilista Chanel, tanto faz. O filme pode trazer muitas verdades ou apenas fantasiar sobre alguém que muito fantasiou sobre si mesma. Tanto faz também. É sempre bom ter uma referência com tantas importâncias quanto essa. E tomara que não adiem o filme.

Por Priscila Rezende

Visto no A Capa

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Comments ( 4 )
Louis Vuitton cria estante, museu expõe trajes e Google celebra com mapa do satélite
21/07/2009
Para celebrar o 40º aniversário do programa espacial Apollo 11, que levou o homem à Lua pela 1ª vez, diversas empresas estão promovendo ações especiais. Depois de lançar um anúncio com os astronautas Sally Ride, Jim Lovell e Buzz Aldrin, a Louis Vuitton fez uma estante futurística com inspiração robótica e também divulgou o vídeo da campanha (fotos 1 a 3).
Se cada ocasião merece um traje apropriado, para desembarcar na Lua os humanos capricharam no visual. E para registrar e celebrar a moda dos astronautas, o National Air and Space Museum, situado em Washington, nos Estados Unidos, está promovendo uma exposição com as roupas utilizadas pelos viajantes das missões Apollo (fotos 4 a 8).
Esta não é a primeira vez que o único satélite natural da Terra inspira a moda, como já vimos na campanha Moonbathing, da Levi´s (fotos 9 e 10). Mas é a primeira vez que podemos visitá-lo pela internet. Não satisfeito em mapear todo o território terráqueo, o Google lançou a versão lunar de sua aplicação de mapeamento, o Google Moon.
A seguir, veja o vídeo da Louis Vuitton, que faz parte de uma campanha que interpreta a vida como uma série de jornadas, utilizando avançados braços industriais para filmar os três heróis norte-americanos:

Louis Vuitton cria estante, museu expõe trajes e Google celebra com mapa do satélite.

Louis Vuitton homenageia chegada do homem a lua

Louis Vuitton homenageia chegada do homem a lua

Para celebrar o 40º aniversário do programa espacial Apollo 11, que levou o homem à Lua pela 1ª vez, diversas empresas estão promovendo ações especiais. Depois de lançar um anúncio com os astronautas Sally Ride, Jim Lovell e Buzz Aldrin, a Louis Vuitton fez uma estante futurística com inspiração robótica e também divulgou o vídeo da campanha.

Louis Vuitton homenageia chegada do homem a lua

Louis Vuitton homenageia chegada do homem a lua

Se cada ocasião merece um traje apropriado, para desembarcar na Lua os humanos capricharam no visual. E para registrar e celebrar a moda dos astronautas, o National Air and Space Museum, situado em Washington, nos Estados Unidos, está promovendo uma exposição com as roupas utilizadas pelos viajantes das missões Apollo.

Louis Vuitton homenageia chegada do homem a lua

Louis Vuitton homenageia chegada do homem a lua

Esta não é a primeira vez que o único satélite natural da Terra inspira a moda, como já vimos na campanha Moonbathing, da Levi´s . Mas é a primeira vez que podemos visitá-lo pela internet. Não satisfeito em mapear todo o território terráqueo, o Google lançou a versão lunar de sua aplicação de mapeamento, o Google Moon.

Louis Vuitton homenageia chegada do homem a lua

Louis Vuitton homenageia chegada do homem a lua

A seguir, veja o vídeo da Louis Vuitton, que faz parte de uma campanha que interpreta a vida como uma série de jornadas, utilizando avançados braços industriais para filmar os três heróis norte-americanos:

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,

Comments ( 0 )
Página 58 de 59« Primeira...102030...5556575859