Redley, R Groove, Têca e Espaço Fashion

Trafegando entre surfistas, ciclistas e mochileiros, a Redley é responsável por uma roupa que procura conjugar ambiente urbano e praiano, com tendência a privilegiar o masculino. Talvez por isso, Jurgen Oeltjenbruns tenha saído de cena há apenas 3 meses, substituído pela dupla feminina formada por Emilene Galende e Julia Valle.
Provavelmente também por isso, a divisão destinada às garotas tenha crescido. O que une toda a coleção é o senso utilitário: os recursos vão dos bolsos grandes às amarrações, passando por megamochilas, listras muito largas, boots poderosos, cintos militarizados e por aí vai.
Para elas, os vestidos ajustados e curtos e as combinações de saia e jaquetinha desenham a silhueta enxuta que tomou conta do Fashion Rio. Para eles, a modelagem promove uma fusão entre design esportivo e alfaiataria, com muitos recortes distribuídos de forma a conferir dinamicidade e movimento a calças esportivas, coletes com camisas de manga longa, bermudas amplas e jaquetas oversized estampadas.
O álbum “Mar Revolto” de Carlinhos Brown entra como mote para a fusão de surf e rock and roll promovida com alguma ousadia e menor sutileza por Rique Gonçalves na R Groove. A ousadia fica por conta das transparências, das fusões entre tecidos diferentes, das apropriações experimentais na alfaiataria. A sutileza falta na literalidade do trato com as referências, justapostas de forma um tanto dura. No cardápio da marca, entram recortes, excesso de tecido na região da gola, bolsos utilitários, deslocamentos na modelagem da alfaiataria, cordões de amarração na lateral das bermudas, na cintura de casacos e no cós, e casacos sem gola.
A Têca deixa de lado o romantismo habitual e entra nos anos 1980 sob o signo sombrio do filme de Tony Scott, “The Hunger” (Fome de Viver), de 1983. Quem não se lembra de David Bowie e Catherine Deneuve encarnando vampiros elegantes, de olho na jugular de Suzan Sarandon? A partir daí a marca trouxe vestidos justos e décor encrespado e volumoso nos detalhes.
Os vestidos lideram o mix, seguidos pelas saias curtas e infladas. Vale prestar atenção nas combinações de minissaia + blusa + casaco curto (tipo Chanel) muito frequentes nas propostas para o inverno 2010. Um voo mais adulto da Têca. Eficiente, mas ainda em busca da consistência que a marca pretende e pode alcançar.
Em desfile concorrido, tudo parecia minucioso e bélico, no futuro construído pela Espaço Fashion. O apetite por imagens fortes, novos planetas e outras galáxias orientaram a coleção, e, assim como fez com outros temas, a marca carregou nas tintas e causou impacto. O casting mais que poderoso, liderado por Carol Trentini, contribuiu enormemente.
Unanimidade no mix, as bermudas ciclista foram apresentadas sob microssaias e vestidos justos, associados a casacos elaborados. A estranheza da combinação funcionou. Os primeiros e últimos vestidos compõem a ala leve de uma coleção densa.
A bela blusa de seda apresentada por Ana Claudia Michels entra nessa categoria, que trouxe alguma cor aberta à passarela e amenizou a agressividade da forma. Nas calças, muito recortes e aplicações.

fonte: www.usefashion.com.br

Tags: , , , , , , , , , ,

Leave a Reply