Temporada pede corpos mais curvilíneos do que a de desfiles de inverno.
G1 ouviu profissionais da moda para saber quais são as suas favoritas.

Esqueça as garotas muito magras e branquinhas caminhando pela passarela. A temporada de verão 2011 levará mais sensualidade à São Paulo Fashion Week, que tem início nesta quarta-feira (9) no prédio da Bienal do Parque do Ibirapuera.

Profissionais de moda ouvidos pelo G1 explicam que as coleções que antecipam o que será visto no litoral do Brasil no ano que vem pedem mulheres com corpos curvilíneos, pele negra ou bronzeada e visual mais sexy.

“No verão, as meninas de pele branca e traços europeus dividem a preferência com mulheres de pele morena e corpos mais volumosos”, revela o booker da agência Ford Marco Aurélio Casal de Rey, responsável por indicar às grifes modelos que vão à passarela.

“As garotas que têm um corpo mais ‘desenhado’ vão faturar mais. A imagem que faz sucesso agora é a da mulher exuberante, saudável, feliz”, completa Giovanni Frasson, stylist e editor da revista especializada em moda “Vogue”.

Para Frasson, a moda de verão valoriza no mundo todo o corpo que, ao menos no imaginário coletivo, é o da brasileira. “Essa coisa da sensualidade, da ‘brazilian bombshell’ [apelido dado a Carmen Miranda em seus tempos de sensação em Hollywood] e das curvas é o que faz essas meninas serem pagas a peso de ouro para vestir maiôs e também lingerie, jeanswear…”

Mas quem são as donas dos “corpões” mais cobiçados pelas grifes nesta temporada?

Entre as eleitas da vez – confira a lista completa no infográfico abaixo – estão nomes como as modelos negras Samira e Gracie Carvalho, a novata Laís Ribeiro, além das tops Fabiana Semprebom e Juliana Imai, apostas do stylist da marca de biquínis Água de Coco Daniel Ueda.

“Tenho certeza de que elas [Semprebom e Imai] vão arrasar simplesmente porque têm um corpo lindo, e o melhor: são versáteis. Além desse desfile, devem fazer muita moda praia nesta edição da SPFW.”

Já para a booker da agência Mega Vanessa Novotny, os flashes vão disparar mesmo quando Isabeli Fontana pisar na passarela. “Ela vai do sexy ao angelical e pode encarnar vários personagens de uma só vez. É uma camaleoa”, elogia a agente.

Ajuda da genética e agachamento
Ao contrário do que se pode pensar, malhação seguida à risca, tratamentos estéticos mirabolantes e alimentação rigidamente controlada nem sempre fazem parte do dia-a-dia de algumas das mulheres mais exuberantes da SPFW.

Aos 21 anos (e modelando há cinco), a paulista Samira conta que se baseia “só na genética” para garantir a boa forma antes de entrar na passarela. “Por enquanto, está funcionando, graças a Deus”, se diverte, dizendo que o máximo que faz é maneirar nas refeições antes de desfilar. “Prefiro comer uma saladinha, uma fruta, mas isso só para não ficar de barriga inchada.”

Morando entre São Paulo e Nova York, ela fez todos os 14 desfiles na mais recente edição do Fashion Rio. “Estive ainda em todos os que tinham moda praia e te digo que apesar de já estar ficando acostumada à correria, acho tudo uma delícia e fico até ansiosa.” Samira conta que a principal diferença de desfilar no Brasil é a atmosfera no backstage. “Aqui tenho amigos, conheço os maquiadores, converso com as outras modelos. Adoro!”

A piauiense Laís Ribeiro, 20, que abrirá o desfile da Rosa Chá, também revela que não faz muito esforço antes de entrar na passarela vestindo pouca roupa. “Acho até bizarro falar, mas não faço nada”, confidencia a modelo. “Agora no Fashion Rio foi a primeira semana de moda em que modelei verão e senti medo, porque sei que maioria das modelos se prepara bastante. Mas não encano e vou levando assim. Na hora em que precisar, e espero que daqui a muito tempo (risos), vejo o que faço.”

Mais precavida, a top Renata Kuerten, 20, intensifica as aulas de pilates e sessões de caminhada que faz normalmente e procura maneirar no consumo de doces e refrigerantes nos dias que antecedem os desfiles. “Como já sei que vou ter de estar em forma, mudo minha rotina. Mas não é toda menina que faz isso. Na hora de entrar na passarela é uma correria e a gente vê colegas fazendo agachamento e até passando spray fixador no bumbum”, conta. “Eu prefiro me preparar uma semana antes, até porque para algumas coisas não tem milagre que ajude”.

Curvas importadas

Mas nem só de brasileiras é feito o casting de um desfile de moda praia. Em uma das mais concorridas apresentações do evento paulistano, a passarela terá ares de mapa-múndi.

A estilista da Cia. Marítima Fabiana Kherlakian conta que a marca trará nove modelos internacionais para a SPFW – com destaque para a isralense Esti Ginzburg e a holandesa Sylvia Geersen, que protagonizam a campanha de verão grife.

Mas a abertura – momento dos mais importantes na apresentação de uma coleção – será feita pela brasileira Izabel Goulart. “Não dava para escolher outra garota. A Izabel tem um corpo mais do que perfeito e vai entrar usando um biquíni de estampa étnica, que tem tudo a ver com a inspiração marroquina que marca nossa temporada”, adianta Fabiana.

“Só não topei fechar a campanha com uma brasileira porque teria de contratar alguém com exclusividade para não correr o risco de ver a menina na campanha da Cia. Marítima e na de uma loja do Bom Retiro ao mesmo tempo. Lá fora, isso não acontece, os agentes têm mais cuidado em não diluir a imagem da modelo”, alfineta.

“Adoraria ter uma mulher daqui como a cara da marca, mas infelizmente as coisas acontecem assim.”

Fonte G1

Tags: , , , , , , , , , , ,

Leave a Reply